segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Próxima compra: banda gástrica

Desde dia 24 que a minha vida se resume a comer e ficar alapada no sofá a fazer exactamente...nada. Ter de ir trabalhar hoje e ter de fazer uma tese é que já não veio nada a calhar. Valham-me pelo menos os After Eights e os Ferreros Rochers e os Lindt e os Raffaello e os outros chocolates todos que desapareceram mal chegaram.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

E digam o que disserem, o Natal é muito isto

Comer até não poder mais, até ganhar uma indigestão e ficar com os níveis de açúcar em graus assustadoramente altos. Não faz mal, que no Natal ninguém leva a mal. (ou será no Carnaval?) Feliz Natal a todos.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Se eu já gostava dela, então agora fiquei a gostar mais


O mini concerto foi muito bom e tê-la conhecido pessoalmente foi ainda melhor. Quando for grande quero ser como ela. Cantar bem é que já são contas de outro rosário.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Eu sei que sou só mais uma...


mas amei o filme. Começo a achar piada ao rapaz e a sentir-me uma daquelas adolescentes inocentes. Acho que durante o filme me apaixonei umas 35 vezes. Medo. Ah e a história também vale a pena. Digo eu.

domingo, 15 de novembro de 2009

É tudo muito bonito, mas agora estou aqui que nem posso

Ontem fui à Luz ver a Selecção e não há nada como estar no meio de um estádio (o melhor, assim só por acaso) cheio de gente a cantar o hino. Dá mesmo gosto. Mais gosto deu sair de lá de cabeça erguida apesar de só um golo não encher a barriga depois de fazer 300kms e com outros tantos pra fazer no fim do jogo. Mas tudo bem, que podia ser pior e valeu bem a pena. Fossemos nós como aqueles bósnios que não se calaram meio segundo durante o jogo todo e podíamos acreditar mais que temos perfil de 12º jogador.

sábado, 31 de outubro de 2009

Silêncio que se cantou fado


É muito bom ouvir fado cantado por alguém que sabe. E ela sabe. Talvez mais do que ninguém. E num coliseu cheio de gente, melhor ainda.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Já é a roçar a maldade

Desculpem lá, mas Jimmy Choo na H&M uns dias depois de eu receber o meu 1º salário é estar mesmo a pedi-las. Logo eu que até já estava a pensar num PPR.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Só pra verem como sou uma trabalhadora aplicada

Ainda não são 7h e já eu estou aqui fresquinha que nem uma alface (mentirosa) para ir trabalhar. É nestas alturas em que digo que não à cama, em que renuncio aos prazeres da continuação de uma boa noite de sono, que sinto que mereço um subsídio de amor ao trabalho. Modéstia à parte, sempre. É por causa de pessoas assim que este país não se enterrou e ainda há-de ser grande. Olhem para o que vos digo.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

São fases

É muito trabalho, uma tese para fazer e pouca paciência (e vontade) para tudo.

domingo, 4 de outubro de 2009

Facto

Começar a trabalhar a uma sexta e ter um feriado na segunda é coisinha pra me deixar muito mal habituada.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

De volta e de vez

Ooooohh acabou. Foram definitivamente das melhores semanas que já tive e que por isso repetia sem pensar duas vezes. Fui ao Chiado, aos Restauradores, ao Campo Pequeno e jantar no Bairro Alto ao som de fado. Muito chique. Conheci pessoas que, ou muito me engano, ou é coisinha pra dar numa amizade engraçada. Ah, pelo meio foi-se mais ou menos trabalhando. Amanhã começa a sério. É acreditar que não me vou perder antes de chegar ao trabalho. Wish me luck.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Sempre ouvi dizer que primeiro vêm sempre as prioridades


A imagem foi roubadíssima de um sítio qualquer que agora não me lembro.
Ainda vou acabar no inferno.

sábado, 26 de setembro de 2009

De volta (mas por pouco)

Cheguei ontem e volto outra vez para Lisboa amanhã. Dá tempo para votar, ver o Benfica jogar como gente grande (espero eu) e fazer a mala de novo. Esta semana foi boa. Foi muito boa. O grupo de trabalho é o máximo, só faz asneiras e começo a achar que a empresa daqui a uma semana, mais coisa menos coisa, já nos mandou dar uma grande volta. Mas também não faz mal. Se isto é que é o mundo dos crescidos que trabalham, eu já queria ter feito parte dele há muito tempo.

Já agora, o Sheraton tem a melhor vista sobre Lisboa. Por isso façam como eu: arranjem uma excelente companhia e passem por lá.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Feedback: foi muito disto que andei a fazer nas férias - parte 3 (e é a última)

O livro esteve durante algum tempo no top da Fnac e a Toni Morrison já foi galardoada com um Prémio Nobel, daí a minha curiosidade. Mas achei o livro demasiado complicado. Houve partes que tive de reler, porque a meio já estava perdida e depois não percebia nada. Exige muita concentração para se perceber do princípio ao fim e elaborar raciocínios demasiado complexos nas férias não é para mim.


Gostei imenso. É divertido, dá a conhecer Itália, a Índia e a Indonésia nos seus aspectos mais característicos: em Itália, a autora engordou os
melhores quilos da sua vida (palavras dela que eu não duvido), na Índia explorou a parte espiritual (e, segundo ela, quem conhece a Índia conhece quase tudo) e na Indonésia teve um mestre que defendia que a idade está na maneira como nos sentimos e não nos números. Aqui também se apaixonou por alguém do outro lado do mundo. A vida dá mesmo muitas voltas e para isso não é preciso uma eternidade, acho que é a principal lição.


Shame on me que critiquei sem conhecer. É uma história de adolescentes? Sim, é. É muito pouco irreal sem hipótese de ser um relato do quotidiano? Sim, também é. Mas está tão bem escrito e é tão cativante que só me apetece ler o segundo e o terceiro e o quarto duma assentada só. Foi sem dúvida uma excelente surpresa. "The future isn't set in stone. Things change." Palavras do Edward, que é descrito de tal forma que também quero um Edward só para mim (um Edward, não um Robert Pattinson, não vamos confundir).


Sinceramente? É um nó na cabeça muito grande. É preciso ler sem estar a pensar como vai estar o tempo amanhã. A escrita é muito complexa, a pontuação é muito à José Luís Peixoto (e a mais ninguém) e a história não segue uma linha temporal definida. Mostra bem como passado, presente e futuro andam sempre de mãos dadas, como a vida pode ser tão irónica e rir-se de nós na cara. Mas vale a pena.

domingo, 20 de setembro de 2009

Era bom, era

Pois que vou trocar o norte por Lisboa (bitch) e vou morar num hotel (bitch outra vez). Vai ser só boa vida e farra o tempo todo. Pronto, é mentira. É só por duas semanas e é em trabalho. Não se pode ter tudo. Agora vou continuar a preparar a mala, onde tenho a certeza que não vou conseguir enfiar metade do que preciso. Vemo-nos (que é como quem diz) daqui a duas semanas.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

AAAAHHHHH!! (grito histérico)



Porque é que nunca mais é dia 25??

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Não é que já tenha saudades das férias...

Quem é que começa as aulas hoje? Sou eu... E quem é quem é que não tem vontadinha nenhuma de lá pôr os pés? Pois, adivinharam. E ter de desenvolver uma tese não é bem a minha ideia de "coisa super fixe" para se fazer.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Fez parte da minha infância


"Until you've been in love, you don't know what it's like. Nothing else seems to matter. "
(Orry Main)


Fiquei triste com a morte de Patrick Swayze. As boas recordações que tenho dele não são por causa do "Dirty Dancing", mas sim porque passei muitas horas em frente à tv por causa de uma série em que ele entrava e que eu amava. A série chamava-se "Norte e Sul", era de 1985 (nem eu existia) mas quando voltaram a exibi-la, não falhava um episódio. Perdeu-se um grande actor na minha opinião. E vou guardar sempre a recordação da personagem que interpretava, Orry Main.

domingo, 13 de setembro de 2009

Feedback: foi muito disto que andei a fazer nas férias - parte 2


Gostei muito. Não é nada chato e deu-me vontade de resolver tudo o que não está bem na minha vida, com o mesmo entusiasmo como fez a personagem principal. Mostra bem como às vezes aquilo que está ao nosso lado, consegue,
ao mesmo tempo, ser também o que está mais distante.


Pode ser para muitos demasiado light, demasiado escritora de segunda ou dispensável. Para mim não é, porque diz muitas coisas acerta
das sem grandes floreados. O livro é muito divertido, faz pensar e agarrou-me desde a primeira página que o li num dia.


Foi-me recomendado por um amigo que o leu e gostou muito. O livro conta a história de um pequeno grupo de amigos que divide a mesma casa em Milão e tem de sobreviver com 1000€ numa das cidades mais caras da Europa. É engraçado perceber como eles esticam o dinheiro, como é tudo pensado para que no fim do
mês sobre uma parte do salário. Mesmo que seja uma parte muito pequenina.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Feedback: foi muito disto que andei a fazer nas férias - parte 1

Amo ler. É daquelas coisas que mais gosto (que prazer é outra coisa) me dá fazer. Sou capaz de ficar horas e horas agarrada a um livro, qual viciada, se for realmente bom e se me conseguir cativar. Gosto de me perder nas histórias, pôr-me na pele das personagens, imaginar o que sentem e conjecturar sobre o que pode (ou não) acontecer. Daqui se percebe porque li tantos livros nestas férias. Agora que já li tudo (para já, que agora estou em pausa) posso dar a minha humilde opinião sobre o que me passou pelas mãos.


Lê-se bem e num instante. Além do livro ser pequeno, a história é simples e não mete muitos rebuscados pelo meio. Não há muito a dizer. É daqueles livros que passa bem ao lado.


Deste gostei mais. Há um mistério, uma história mal resolvida e faz pensar que às vezes as coincidências não acontecem por acaso. Vale a pena.

Li o livro porque vi o filme primeiro (é um dos meus preferidos de sempre) e fiquei curiosa se o livro seria tão bom como o filme. Confesso que gostei mais do filme do que do livro, apesar de no filme terem sido anuladas algumas partes que achei importantes. Mas aquele Ryan Gosling é tão giro e tão bom actor que qualquer filme com ele me deixa embevecida. A história é fantástica, daquelas que qualquer romântico que se preze não se importava de viver um amor assim.


De todos foi o que mais me prendeu. A história é boa, está mais bem conseguido do que os outros e basicamente tem mais assunto. Não sou a maior fã de Nicholas Sparks: li estes todos porque além de me terem caído nas mãos (não gastei um cêntimo neles, entenda-se) também não tinha nada que fazer.

É Isabel Allende e isso diz (quase) tudo. Recomendo sem dúvida. A história é cativante, apesar de ser um bocadinho chato em algumas partes, mas vale muito a pena. Os cenários estão tão bem descritos, que facilmente nos imaginamos dentro da história.


É definitivamente um dos meus livros favoritos. Comprei-o porque a Catarina Fonseca é uma das autoras e tinha curiosidade em ver a escrita dela num livro. É uma comédia com drama, romance e terror à mistura, numa mistura muito bem conseguida. Dei por mim a rir sozinha na praia enquanto o lia que o acabei em casa. Não fossem pensar que eu não jogo com o baralho todo. Uma boa prova que o que é nacional às vezes também consegue ser (muito) bom.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Anda-me a descompensar o nervo

Expliquem-me, vocês que sabem de tudo, qual é a história dos comentários com aqueles caracteres manhosos? Além da verificação de palavras, há alguma coisa que se faça para não ter aquilo a invadir-me o blog? É que já estou fartinha de ver aquilo todos os dias. Agradecida.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

E elas não existem só nos sítios que se vêem

"People have scars. In all sorts of unexpected places. Like secret roadmaps of their personal histories. Diagrams of all their old wounds. Most of our wounds heal, leaving nothing behind but a scar. But some of them don't. Some wounds we carry with us everywhere and though the cut's long gone, the pain still lingers."

Meredith Grey

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Technology rules


Ainda por cima combina com o meu telemóvel. Se se quiserem chegar à frente e oferecer, façam favor que a menina agradece.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Dizem elas, que sabem mais do que eu

"Se as mulheres são perversas? «Perversas» é dizer pouco. Na realidade, ainda não se inventou palavra nem expressão que possam, mesmo que ao de leve, aproximar-se do que somos realmente. Nem no pior nem no melhor. Somos seres limitados e infinitos, sagrados e sacrílegos, divinos e profanos, e encerramos em nós todas as contradições. Como dizia o filósofo? «Uma só mulher contém todas as mulheres, e todas as mulheres não são ainda a Mulher.» "


Alice Vieira, Catarina Fonseca, Rosa Lobato de Faria, Rita Ferro, Leonor Xavier, Luísa Beltrão in "13 Gotas ao Deitar"

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Chama-se a isto passar tudo a ferro


E se o Nuno Gomes marcou, então o céu é o limite.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Quem tem carro novo, quem é? Sou eeeu!

O senhor do seguro deu-me os papéis e desejou-me boa sorte. O senhor que me vendeu o carro deu-me a chave e desejou-me boa sorte. Das duas uma: ou eu tenho cara de pessoa assassina ou aquilo lá fora é uma selva. Vou acreditar na segunda. De qualquer forma, o meu carro é tão lindo que estou seriamente a ponderar ir morar lá para dentro. Adeus passe social.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Nesta última semana deu para...


ler, ouvir música, rir de conversas parvas e ter conversas sérias, comer arroz de marisco às 5 da madrugada, dançar até (quase) de manhã, apanhar sol, comer gelados, ver o pôr-do-sol na varanda enroscada num cobertor, comer croissants de chocolate, ganhar mais ou menos 1€ no euromilhões, conhecer pessoas novas e ter a certeza que quem tem amigos tem tudo.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Post de gaja

Gabriel Aubry

Giro que dói.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

É o que dá ver muitos filmes

Acho que é o meu pior defeito: construo muitos castelos nas nuvens. Depois as coisas não acontecem como eu as idealizei, porque dificilmente a realidade é tão boa como os sonhos que tenho. Se fosse tudo como eu quero, a vida era mais cor-de-rosa do que o meu blog e eu não era uma constante insatisfeita. Já ele dizia (e eu faço dele as minhas palavras) que "o mundo não é como eu quero".

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Todos os silêncios

"Era uma vez uma princesa cavaleira que tinha a mania de ser guerreira. Comandou exércitos e reconquistou territórios. Libertou mulheres presas e absolveu condenados. Teve uma vida cheia de vitórias e não lhe faltava nada, a não ser um grande amor. Quando o descobriu, a princesa temerária montou outra vez no cavalo e foi atrás dele. E ele assustou-se porque percebeu que ela era indomável como as forças misteriosas da natureza que fazem tremer a terra e varrem as praias. Cansada de correr, a princesa voltou para o castelo e subiu à torre, onde ainda hoje sonha que ele a venha buscar. Não se pode correr atrás dos homens, eles não gostam, percebeu ela, depois de muito tempo. Assim, deixou-se ficar na torre, que se transformou num farol, para que ele não se perdesse no caminho quando a quisesse encontrar. De vez em quando, vejo-a a mandar sinais de fumo em forma de mensagens; mapas em forma de cartas; setas em forma de presentes, Vejo-a sossegada, mergulhada no silêncio dos seus sonhos. Vejo-a sentada naquele mesmo terraço, com o mar em frente, ou o deserto, tanto faz. E ao lado dela vejo um príncipe imperfeito, mas perfeito para ela, porque a perfeição está em tudo o que se ama. A nossa perfeição nunca se vê no nosso espelho; vive nos olhos dos outros e no amor com que nos vêem."

Margarida Rebelo Pinto, "Vou contar-te um segredo"

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

terça-feira, 4 de agosto de 2009

O meu pai é um fofo

Ele explica-me com pratos, copos, facas, garfos e colheres como funcionam os motores dos carros, onde estão os veios, as velas, qual é a história do motor de arranque e como funciona a caixa de velocidades. Ainda hei-de acabar mecânica. É só arranjar o fato-macaco e uns posters de gajas nuas e 'tá feito.

sábado, 1 de agosto de 2009

Acho que o saldo é positivo

Estava mesmo a precisar de uma semana assim. Depois de um ano cansativo q.b., estas férias com as amigas vieram mesmo a calhar. E foram mesmo férias de mulheres: 3 horas para almoçar, porque levantar da mesa em tempos de férias é ainda mais cansativo, contar calorias de tudo o que se comeu e não comeu, conversar até às 500 da madrugada e fazer barulho até acordar os vizinhos. Com risadas à mistura. Muitas. Trago um bronze engraçado que não me faz sentir uma criatura arraçada de cal com uma espécie albina. Tive a certeza nesta semana que a vida pode dar voltas que nem sequer imaginávamos e que às vezes os túneis, por mais longos que sejam, também têm luz. É preciso é ter paciência e saber esperar. Para fechar com chave de ouro, a partir de Setembro abandono o clube dos desempregados e passo a ser uma pessoa mais responsável. Arranjei emprego. Finalmente, a vida esta mais encaminhada.

domingo, 26 de julho de 2009

Life's a beach

E eu vou em direcção a ela daqui a nada. Por isso, bye bye, auf wiedersen, goodbye e até muito mai logo, que eu vou andar ocupada uma semana a torrar ao sol. A vida é tãão difícil.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

E é esta a minha vida

Fui ver o Transformers ao cinema pela segunda vez. Gosto tanto daquilo, que vibrei com o filme como se nunca o tivesse visto. Esta minha capacidade de me deslumbrar com o que já conheço agrada-me. Principalmente porque assim não senti que o dinheiro foi mal gasto.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Porra

Desde Domingo (não ontem, o da outra semana) que tenho a música do "Vicky, o pequeno golfinho" na cabeça. Alguém que me dê um tiro, por favor.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

O meu computador esteve quase a ir desta para melhor e por isso andei meio ausente. Eu bem que fiz uma forte oração para que ele fosse desta para melhor, já que era da maneira que vinha um novo. Também tentei os olhos de S.Bernardo, mas isso ainda é work in progress, já que os efeitos ainda não se vêem. Cá em casa acharam por bem mandar o trambolho para arranjar pela 56ª vez consecutiva apesar de eu ainda não ter percebido porquê, já que aquilo é do tempo do arroz de 15. Claro que daqui a uns dias enceno uma morte misteriosa e arruma-se o assunto. Para afogar todo um rol de mágoas, mandei-me para as compras. Uma chatice pegada, eu sei, mas alguém tinha de ir. Estou tão pobre, mas tão pobre, mas tão pobre, que só me sinto pobre. Não fosse o vestido novo e os sapatos novos e tudo e tudo, era uma pobre infeliz. Assim sou só pobre com pinta. Podia ser pior. De salientar que estou de férias, com marcas nas pernas de calções (tipo trolha, só que nas pernas) e que daqui a nada mando-me para a praia para ficar de papo para o ar o dia todo. Agora só me falta arranjar um emprego.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

E pronto, é nestas coisas que eu penso enquanto estudo gestão de stocks e outras coisas do Além

Se o Quim Barreiros escrevesse hoje a música "Mestre da Culinária", em vez de uma panela de pressão, ele comprava uma Bimby.
Agora vou ali continuar a assassinar o único neurónio que me falta.

domingo, 5 de julho de 2009

Coisas relativamente interessantíssimas


É mesmo muito bom. Se o primeiro vi aí umas 15 vezes (até agora), este vou ver muitas mais. São duas horas e meia de acção sem parar que uma pessoa até chega ao fim cansada como se fizesse parte do filme. Amei. O Michael Bay é um senhor.

Hoje devia ter começado a estudar para o próximo exame. Como sou uma estudante muito aplicada, vi "Marley & Me". É engraçado e tal, deu-me vontade de ir comprar um cão igual, mas sinceramente esperava mais. Não se pode ter tudo. Daqui também se vê como o que tenho para estudar é interessante. Já para não falar que a esta altura do campeonato, já não tenho pachorra nem para meio exame.


Comprei um chocolate daqueles mesmo bons. Para não o atacar feita cachalote, ando a comer doses industriais de fruta pra depois não ficar com um peso descomunal na consciência. A este ritmo, ainda apanho uma overdose de fruta. Era bonito de se ver. Quando for grande, vou inventar um chocolate que engorde menos do que uma ervilha. Fica a promessa.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Anúncio publicitário muito pouco realista



Este anúncio, além de muito irritante, de verdadeiro não tem nada. Que homem é que vai às compras com as mulheres com aquele sorriso de quem está cheio de contente e sem dizer mal da vida? Nenhum, óbvio. Que homem é que segura nas peças de roupa e vai distribuindo com aquele ar tão prestável? Nenhum. Mais: que homem é que sabe os preços e de quanto são os descontos e ainda sabe que se pode trocar o que se comprou? Nenhum. A menos que trabalhe na loja, o que não é o caso. Ou então que seja gay, que esses são uns fofos e não se limitam a saber quem é que marcou o golo da selecção no Mundial de '86 contra a Inglaterra.

terça-feira, 30 de junho de 2009

Às vezes acho que tenho um problema (ou vários)

Ninguém no seu perfeito juízo vai às compras com uns saltos-altos novos. Pois não vai. Não vai porque como os saltos são novos magoam os pés e não dá jeito nenhum (já pra não dizer que é chato) estar uma quantidade imensa de tempo em pé de um lado pró outro. Claro que eu cometi essa proeza e agora juro que se estiver tudo silencioso, sou capaz de ouvir os meus pés a chamarem-me nomes feios.
E não é só isto (como se já não bastasse). Eu sou a pior pessoa que conheço pra ir às compras. Quando tenho suficiência financeira, como diz a Nikky, não gosto de nada. Ou porque a cor não é bem como eu queria, ou porque o tamanho não é o ideal, ou porque devia ser assim e assado. Quando ando pobre que até dá pena, amo tudo e quero tudo: o que serve e o que não serve, o que é bonito e o que é assim-assim, o que preciso e o que não preciso. Ah, e depois não compro peças de roupa porque tenho muita preguiça pra experimentar. Quanto a isto mais vale não dizer (escrever) nada.
Depois o auge do meu dia foi estar numa loja a ver bolsas e ver uma pendurada mesmo como eu queria. Eu peguei nela e até a tinha comprado... não fosse a bolsa de uma cliente que lá estava a experimentar uma roupa qualquer. Era ter uma pá ali a jeito e eu própria fazia o buraquinho. É por estas coisas que eu vou às compras: a prática leva à perfeição.

domingo, 28 de junho de 2009

Diria eu que é amor

Alma, Louis Vuitton

Não custasse esta fofa pra cima de extremamente muito dinheiro, e já andavamos a dormir agarradinhas todas as noites. Estou apaixonada. Mas cheira-me que este amor só vai ser correspondido lá pra 2070. Ou quando eu assaltar um banco.

Gente pobre é mesmo deprimente.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Que cena...

Eu sempre pensei que o Michael Jackson era daquelas pessoas que vive pra sempre. Não era grande fã, mas fiquei (estou) chocada.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Mais uma que acabou


Estou como o outro: "não sei que diga, não sei que faça, não sei que pense". A única coisa que sei é que o senhor que inventou esta série, com todos os esquemas e reviravoltas, merece todos os prémios e mais alguns pela criatividade de génio.
Confesso que ali no início/meio da terceira temporada não fui uma boa fã da série. Aquilo tornou-se um bocadinho chato e eu, muito céptica, achei que aquilo não dava para muito mais. Afinal, depois das temporadas anteriores, quem é que ia adivinhar que se ia tornar ainda mais interessante, ainda mais excitante, ainda mais de tirar o fôlego? My bad. Tenho a dizer que amei estes últimos episódios, já para não falar do final. Não enrolou, não empatou e manteve-me sempre colada ao monitor, com o coração aos saltinhos.
E agora, que é que vai ser de mim sem o Wentworth??

domingo, 21 de junho de 2009

É por estas (e por outras também) que me dá tanto gosto ter um blog


Quando criei o meu blog, não o fiz por nenhuma razão especial. Achava piada à coisa e pronto, lá me decidi a ser mais uma na blogosfera e ver em que é que isto dava. Hoje tenho a certeza que se soubesse que isto ia ser assim, já o tinha feito há muito mais tempo, porque tem sido motivo de muitas alegrias e acima de tudo de muitas surpresas.
Em conversa com outras amigas que também por cá andam, falávamos sobre o conhecer as pessoas que estão por detrás de alguns blogs, se serão como imaginamos. Eu tenho uma ideia de cada autor de blog que visito. Acredito que em 99% dos casos a minha imagem mental dessas pessoas não tem nada a ver com a realidade, mas também não é isso que me faz gostar mais ou menos do que leio. Se visito esses blogs, é porque, por algum motivo, me identifico um bocadinho com eles, ou então porque também gostava de ser assim: de escrever assim tão bem, de ser assim tão confiante, de ser assim tão engraçada, de ser assim tão decidida. E é por isso que adorava conhecer essas pessoas. Acho que ia criar afinidades, porque já perdi a conta às vezes em que escrevi, em comentários, "também acho", "já me aconteceu o mesmo", "já estive nessa situação" ou "sei o que isso é".
Este prémio aqui em cima foi-me oferecido pela ~rita. É um dos blogs que fica para mim, que é obrigatório, que me deixa bem-disposta e que foi uma das melhoras descobertas dos últimos tempos. Por tudo isto, obrigada Rita! Não vou passar, porque isto de escolher é complicado e eu tenho exame amanhã e não me sinto com capacidade. Mas se há bloggers que vêem frequentemente o meu nome lá na coisinha dos comentários, é porque eu também adoro os vossos blogs.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Conclusões da festa de ontem


Festas assim são das que valem a pena: em que o sítio é agradável, a companhia está à medida e o desfile é muito, mas mesmo muito bom. Fosse eu riquérrima como se não houvesse amanhã e era ver-me a comprar todas as peças de roupa que passaram naquela passerelle.
Mas festa que se preze tem os seus famosos, que o que se quer é ver e ser visto. Famoso que é famoso mostra o máximo de pele possível, que, a julgar por tudo o que vejo (às vezes mais do que o que queria) de gente tapada está o mundo farto. Um trapinho muito piqueno chique e está o assunto arrumado. Mesmo que seja muito parolo, porque afinal famoso que é famoso anda com o que quer e, vai daí, ainda lança moda nova. Só que isto não serve para toda a gente, porque para este arejar todo é preciso ter corpinho que se preze e isso, aqui entre nós minha boa gente, nem todas as pessoas têm. Aposto que se algumas senhoras que vi ontem tivessem um bom espelho em casa, daqueles que não apanha só o cotovelo, não teriam saído naqueles preparos: é que quando não se tem pernas para andar de calções curtíssimos, simplesmente não se anda de calções curtíssimos.
Outra conclusão que acho importante concluir é que pseudo-actores dos Morangos com Açúcar são uma espécie pandémica: estão em todo o lado. Arrumam a gripe A a um canto e mesmo que não sejam lá muito conhecidos, acham-se o máximo. Afinal "ilusão dá felicidade" sempre tem o seu quê de veracidade.
Depois há aquelas raparigas e mulheres que são giras e jeitosas e simpáticas e giras que não há por onde criticar. Essas não poderão nunca ser assunto de um post. Já pra não falar das espécies masculinas que só de olhar todo um sistema respiratório sofre um ataquinho. Mas com estilo, que há que manter o nível.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Há coisas que eu, por muito que tente, não consigo perceber

Aquela história da virgem que aparece em tudo que é programa da manhã (e dos outros tempos todos) é a coisa mais estranha (pra não dizer estúpida) de que tomei conhecimento recentemente. Mais parvas ainda são as pessoas que lhe dão treta e a tratam como se a rapariga fosse especial.
É muito bonito esperar pela pessoa certa e que nos faça sentir especiais e blá blá blá. Mas (e acompanhem o meu raciocínio) se a jovem quisesse mesmo ser virgem, o melhor não era estar caladinha e dar pouco nas vistas? É que com tanto tarado que por aí anda por esse Portugal fora, a moça sujeita-se a coisas piores que o deus me livre (seja lá o que isso for). É mais ou menos a mesma coisa se eu disser "não quero ser assaltada, mas já agora ando na rua todos os dias com 7000€ na carteira". Quer dizer, vamos ser sérios.
Para mim isto é tudo uma estratégia para pôr fim à "pureza" da amiga. É que ainda por cima ela disse, e passo a citar: "a pessoa certa pode parecer mas não ser e olhe, depois já está". "Depois já está"?? Mas isto é o quê? Tipo comer um gelado que afinal não era assim tão bom mas uma pessoa até tinha fome e siga a comê-lo na mesma?
Ora daqui quer-me parecer que ela está é farta que ninguém lhe pegue há tanto tempo e então siga fazer promoção "que eu sou tão virgenzinha e purazinha mas quando tiver oportunidade ui!, que vai ser a loucura". A mim não me engana. Nem ela nem as outras 30 e não sei quantas que fazem parte do clube das virgens. Umas sonsas dissimuladas, é o que é! É que quem se orgulha de não fazer uma coisa que dá felicidade não pode jogar com o baralho todo.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Tenho uma dúvida

Em diferentes alturas na vida, é possível uma pessoa apaixonar-se por outra pela segunda vez?

terça-feira, 9 de junho de 2009

Factos


Se querer fosse poder, o que era voltava a ser.


domingo, 7 de junho de 2009

Já está



Já exerci o meu direito de voto. Não me parece que grande coisa vá mudar, mas pelo menos sempre tenho legitimidade para refilar, queixar-me e criticar tudo o que está mal. E é por estas coisas que eu sei que só podia ser portuguesa.


quinta-feira, 4 de junho de 2009

"Por que não aprender com a verdade?"


"Meu coração, isto é, minha cabeça

(Fazendo-se sentir no coração)
Bate assustado, bate mal, depressa.
Sinto depressa e sinto em vão.


Sei bem: ternura do que nunca foi,
Saudades de um futuro a não haver -
Por tudo isto bate, que lhe dói
Na cabeça, que é o seu ser.


Por que não aprender com a verdade?
Se a cabeça é que sente, o pensamento
Pode bem ser o sentimento que há-de
Livrar-me do meu sentimento."


Fernando Pessoa, Poesia do Eu

domingo, 31 de maio de 2009

Há dois tipos de pessoas:


aquelas que aproveitam o bom tempo, vão à praia, vão passear, vão comer um gelado, ou que vão às compras, ou ao cinema, ou então que se encontram com os amigos e ficam a conversar, divertem-se e recarregam baterias para uma nova semana;


e aquelas que ficam enfiadas o dia todo em casa, em frente a um computador que é a coisa mais lenta, a fazer trabalhos eternos, daqueles que se fazem mas que parecem estar sempre na mesma, que não têm vontadinha nenhuma de mexer nem o dedo mindinho e que fazem um esforço para não atacar o bolo nham nham que a mãe fez, porque afinal o Verão está aí e ninguém quer parecer uma baleia branca.



Pois claro que eu não estou no 1º grupo. Era bom era. Fosse o meu computador uma coisa que bronzeasse, e eu era a coisa mais preta que havia.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Eu não sou hipocondríaca, mas prevejo um ataque cardíaco

Se o estado normal do meu coração é bater sempre a um ritmo estranhamente acelerado, hoje ele parou. Por momentos, foi como se no lugar dele não existisse nada. São dias assim que fazem ter vontade de arrancar o coração, guardá-lo no fundo da gaveta e esquecer que ele existe. Ou melhor: esquecer que ele tem capacidade de sentir.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Angeles y Demonios (uma pessoa dá-se com cidadãs do mundo e depois tem a mania que escreve títulos de posts em espanhol)


Já estava com saudades de ver um filme assim tão maravilhoso. Só dá vontade de ir a Roma muito depressa e descobrir os recantos todos daquelas igrejas e fontes e monumentos e interpretar todos os sinais, qual Robert Langdon no seu melhor. Se não viram, já sabem: siga depressa para um cinema que de certeza que não se arrependem.
Já tinha saudades de uma noite tão bem passada.



Logo há final da Champions. E eu sou uma pessoa cheia de contente.

domingo, 24 de maio de 2009

Sometimes,the thing is that he is just not into you



"Maybe a happy ending doesn't include a guy, maybe it's you, on your own, picking up the pieces and starting over, freeing yourself up for something better in the future. maybe the happy ending is just moving on. Or maybe the happy ending is this: knowing after all the unreturned phone calls and broken-hearts, through the blunders and misread signals, through all the pain and embarrassment... you never gave up hope."


Já vi. E gostei, porque se as situações que aparecem são cliché, é porque acontecem muitas vezes e têm alguma base de verdade. Aliás, quem nunca passou por nenhuma daquelas situações que atire a primeira pedra. Eu gosto de ver comédias românticas: fazem-me sempre acreditar que tudo é possível. Nem que seja só por um bocadinho.

sábado, 23 de maio de 2009

É o que dá ter aulas até às 9:30h da noite

e depois não vejo em directo o Marinho Pinto a desancar a Manuela Moura Guedes como gente grande.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Confessions of a Shopaholic



Tirando algum do guarda-roupa (e alguns sapatos e algumas malas que aparecem), o filme é a coisa mais parvinha que eu já vi. A única lição a tirar do filme é que só mesmo nas ruas de Nova Iorque é que se consegue andar de saltos-altos como quem anda de sapatos rasos.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

This is it

Acabei de ver o último episódio de Anatomia de Grey. É demasiado tudo. E eu continuo tipo Madalena a chorar.
Acabou.
Que merda.

domingo, 17 de maio de 2009

É a loucura



Neste momento deito taxas de juro, políticas restritivas, expansionistas e neutrais, choques da oferta e da procura, taxas de câmbio, PIB, desemprego, consumo, investimento, gastos públicos, exportações e importações, nível geral de preços, regime de câmbios fixos e flutuantes, procura e oferta agregada, inflação, mobilidade perfeita de capitais, dívida externa e saldos orçamentais pelos olhos. É o que dá ter a mania que se tira um Mestrado.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

O antigo apartamento da Beyoncé é o novo closet dela. O apartamento TODO.


Até pode ser verdade, mas há coisas que não se devem dizer, quanto mais não seja pra não magoar as pessoas.
É que aquilo deve ser um T10. No mínimo.




a notícia está aqui. Depois não digam que eu não avisei.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Dilemas

Hoje pus o despertador para as 8:30 porque tenho exame na próxima semana e, assim na loucura, até convém estudar. Mas às 8:30, o primeiro pensamento foi: "ui! muito cedo! vamos lá dormir mais meia-horinha."
Às 9h tocou outra vez. Pensamento: "só mais um bocadinho, depois levanto-me mesmo!".

Tocou às 9:30h. Pensamento: "9:30h é muito cedo e eu não vou ter rendimento. 10h e não se fala mais nisso."
Às 10h: "10, 10:30... a diferença não é assim tão grande..."
Levantei-me às 10:30h.
Conclusão: à 5a é que é de vez.

domingo, 10 de maio de 2009

Domingo pós-Enterro


Se os Domingos já são o que são, então com uma ressaca em cima até assustam. Mas só por ter todas as amigas finalmente juntas, o resto nem interessa. Ainda bem que há coisas que ficam sempre.



nota mental: passar a beber água.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

As espécies que frequentam o mesmo ginásio que eu

Lá no ginásio onde eu ando, pra ficar podre de boa, existem pessoas que eu acho um bocadinho estranhas.. vá, muito estranhas.

As "Cátias Sóraias"
São aquelas que usam o top minúsculo que tapa um bocadinho muito pequenino das mamas e os calções colados ao corpo mais ou menos do mesmo tamanho do top pequenino. O
must das "Cátias Sóraias" é a tatuagem estilo tribal que dá a volta à barriga e às costas e que elas exibem com o maior orgulho deste e do outro mundo, como se fosse a coisa mai linda que há.

Os "Chicos Manel"
Esta deve ser uma espécie que existe em todos os ginásios do país. São aqueles parolos (cabelo oxigenado numa tentativa muito frustrada de se parecerem com surfistas) que levam o belo do calção de praia e a camisola caviada e que se pavoneiam em frente aos espelhos, sempre com o sorriso manhoso de quem pensa "sou-tão-bom-não-há-gaja-que-me-resista-e-na-praia-é-que-vai-ser".

As "Marias Micaelas"
Estas são aquelas pessoas que mais me obrigam a fazer o esforço pra não me desmanchar a rir e rebolar por aquele ginásio fora. Geralmente, as "Marias Micaelas" têm os seus 40 e muitos anos mas comportam-se como se estivessem no alto dos seus 18 anos. Lá no ginásio onde eu ando (pra ficar podre de boa), as "Marias Micaelas" usam um top (decotado) que diz em letras muito grandes "Reebot" e uma mini-saia branca. Ah pois, que isto de se ver e ser visto tem muito que se lhe diga. Claro que estas "meninas" estão extremamente bem conservadas e não há um vestígio de celulite. Na, nada disso, que ideia!

Os "Carlos Andrés"
São basicamente os franguinhos. Magrinhos, magrinhos e que acreditam profundamente que, se levantarem ferro como se o mundo acabasse amanhã, se convertem num armário num instante. São os que usam óculos e aparelho nos dentes e que sentem que a criatina é a melhor invenção desde a roda.


Os "Avôs Cantigas"
São aqueles velhinhos muito fofos que passam o tempo todo a dar à treta (quem diz que isso é típico de mulheres é porque nunca foi ao ginásio onde eu ando pra ficar podre de boa) e que passadas humm.. 2 horas de conversa dizem com um ar muito sério "ai que estou tão cansado. Vou-me embora." Depois queixam-se que a pança não se vai embora. Realmente há coisas que não se percebem.


As "Sô Donas Marias Ermelindas"
Estas são as velhinhas que põem as passadeiras com inclinação no máximo (tipo treino pra subir o Kilimanjaro), que suam toda a água do corpo e falam tão alto que se ouve do outro lado da rua. Regra geral, fazem os exercícios ao contrário e usam as calças de fato-de-treino até ao pescoço, mais coisa menos coisa.




* os nomes são fictícios, não vá alguém descobrir quem eu sou e levar com um halter voador da próxima vez que lá puser os pés.

sábado, 2 de maio de 2009

Parecendo que não, personal shoppers às vezes chegam mesmo a dar jeito

Ver um homem de fato-de-treino e botas, um jovem a primar pelo mau gosto em relação à indumentária mas com um iphone na mão e uma mulher vestida de cor-de-rosa e vermelho (?!?) logo de manhã é muita coisa (má) ao mesmo tempo. O meu coraçãozinho não aguenta tanto mau gosto junto.






Por causa destas visões do além, logo vou ter de ir prá Queima beber pra esquecer. Eu que até nem queria.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Dantes era mais fácil

Tenho saudades dos tempos em que as minhas únicas preocupações eram fazer os trabalhos de casa e escolher a que jogo brincar a seguir.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Eu já sabia que ia ser assim



Eu não sou rapariga de manias (pelo menos na maioria das vezes não), mas ultimamente tenho pensado que o mais certo é eu morrer de uma doença com
lag. E isto porquê? Ora porque eu nunca tive varicela, nunca tive sarampo, nunca tive papeira, nunca torci nada, nunca levei pontos, nunca parti nada e ainda tenho o apêndice.
Pronto, 'tá.se mesmo a ver que me vai aparecer tudo de uma vez.


quinta-feira, 16 de abril de 2009

O motivo que faz as coisas acontecerem quando não devem acontecer seja por que motivo for


É um facto: os homens têm a razão toda do lado deles quando dizem que as mulheres são um mistério. Eu já levo comigo todos os dias há pouco mais de 22 anos e, por muito que tente, não me consigo perceber. É ver-me a surpreender.me todos os dias, a pensar, dizer e fazer coisas que, por muito que tente, não consigo encontrar uma explicação.
Por exemplo, nunca desenvolvi grandes amores por crianças. Não que tenha algum problema com elas, mas quase de certeza que a minha veia materna já veio furada e anda a vazar desde que nasci. Mas no entanto, o que é que eu faço? Trabalho com crianças todos os dias.
Outro exemplo: recebo um convite para um café com um indivíduo por quem não nutro qualquer tipo de interesse. Na minha cabeça, só me passa qualquer coisa como "Credo! Mas é óbvio que não! Prefiro atirar.me para um pote de óleo a ferver do que ir tomar café contigo!", mas o que se traduz em sons é um "sim, tudo bem." Mas o meu must, a minha cereja no topo do bolo, é conseguir estragar tudo quando está tudo bem. Posso eu ter a melhor vida em todos os aspectos, que mais cedo ou mais tarde, vai.se tudo com a rapidez dum estalar de dedos e fico com uma vida tipo novela-mexicana-que-não-lembra-a-ninguém-e-que-mais-parece-um-filme-manhoso. É matemático. Das duas uma: ou Deus não existe ou de cada vez que faço asneiras, Ele está a ver tv com o volume no máximo.
Não adianta dar voltas e tentar encontrar motivos. Resta.me a resignação e aceitar que que há acontecimentos que eu nunca vou conseguir explicar.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Nada dura pra sempre


É muito complicado quando se arrasta uma situação por muito, muito tempo, mantendo sempre a esperança que tudo pode, um dia, ficar bem.
Pior ainda é quando a esperança morre e se tem a certeza que acabou.


segunda-feira, 6 de abril de 2009

E pronto, é isto que temos

Tenho um auto.intitulado admirador (secreto, porque não sei quem é a personagem) que me manda mensagens e que diz que eu sou uma "gata boa." Depois de tão grandioso elogio com tanta classe como uma Luís Biton*, sinto que posso morrer realizada. E feliz. Meu deus, sou um sucesso.





* "Louis Vuitton é pra meninos", conclusões conjuntas de uma aula de Mestrado.


sábado, 4 de abril de 2009

E é assim que uma pessoa passa a conhecer o seu futuro

Na semana passada encontrei.me para um café e duas de treta (que é como quem diz, horas) com uma amiga que, por motivos de distância, não vejo tão frequentemente como gostaria. Apesar disso, os 10 anos de amizade mantêm.se intactos, o que pra mim é um enorme motivo de orgulho.
Ora essa minha amiga estava.me a contar as peripécias da semana dela e o que fez na faculdade: o "hospital a brincar" (a minha amiga está a tirar Medicina). Basicamente, as crianças aparecem com os seus bonecos e os internos agem como médicos a sério, fazendo um diagnóstico segundo os sintomas que os pais a fingir relatam.
A minha amiga contou.me que uma das crianças que levava o seu "filho" disse no final da consulta (e passo a citar:)" a miúda agarrou na boneca pelo braço e muito séria perguntou à filha: 'então não te despedes da sra doutora? Vai lá dar.lhe um beijinho!' " Até aqui nada de mais... não fosse eu já saber o que a minha amiga ia dizer.
Sabem o que é o dejà vu? Eu tenho disso... e mais do que o que gostaria. Acontece.me (com uma certa frequência) estar em certas situações e saber o que as pessoas vão dizer a seguir, chegando mesmo a completar os raciocínios dos outros. Ou então antever discussões em que o discurso e gestos já me passaram pela cabeça antes de acontecerem. Sim, é tenebroso, mas acontece.me. Enquanto a minha amiga me dizia o que se tinha passado, eu falei ao mesmo tempo que ela, dizendo o mesmo. Disse.lhe que já sabia, porque estava a ter um dejà vu. Vai daí e a minha amiga diz.me que esses são fenómenos que geralmente ocorrem com pessoas que mais tarde virão a desenvolver... Alzheimer. As imagens/ gestos/ frases que aparecem nos dejà vu são situações que não são guardados no subconsciente e que ficam na memória temporária. Quando de facto acontecem, o cérebro como que as liberta. (o filme é mais ou menos este.)
Claro que fiquei contentíssima por saber que daqui a uns anos vou andar a perguntar "quem sou eu? e quem és tu?" e o facto de isto ter acontecido há uma semana e eu só me lembrar de escrever este post agora não deve ser pura coincidência.
Pena eu não ter dejà vu's com exames ou o euromilhões.
Dejà vu's da treta.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Prémios e desafios - parte 674584

O Gajo atribuiu.me estes prémios. Ainda vou descobrir o que é que ele quer =P
Obrigada Gajo!




A Lolipop diz que o meu blog é Roxie.. se ela diz, é porque é!
Obrigada Lolipop!


As regras são:

1- Publicar a imagem do selo "Seu blog é Roxie"

2- Colocar o nome de quem deu o selo

3- Escrever 3 coisas que eu ache que são Roxie

- Séries de tv (pois claro!), as minhas Amigas, férias

4- Três países que sonho conhecer

- Itália, Austrália, Egipto

5- Três cores preferidas

- Cor de Rosa, preto, azul

6- Indicar 10 blogues que ache Roxie.

http://quepancadas.blogspot.com/

http://vagueandopelasruas.blogspot.com/

http://admiraveldemencia.blogspot.com/

http://ladyohmydog.blogspot.com/

http://asnovenomeublogue.blogspot.com/

http://1feitio-de-rainha.blogspot.com/

http://aqivaletudo.blogspot.com/

http://acho-lindo.blogspot.com/

http://diariodaalicia.blogspot.com/
http://porquesim-ora.blogspot.com/

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Quem é que a trouxe??

A Maya é a indivídua (passou a existir) mais sem nexo que existe à face da Terra.
Quer dizer, a mulher além de se sugerir para a capa da Playboy (achando.se uma "diva", palavras da própria), ainda se mostra muito púdica ao diz que não o faria por causa do filho.
Então ir mostrar as mamas novas (que nem pagas por ela foram) nas revistas e imagens da operação e mais não sei o quê já não faz mal? O filho não se importa? Ah, então está bem.
Por favor, alguém que a leve pra longe depressa.







(com este post sinto que o meu blog perdeu grande parte da pouca decência que ainda tinha. É triste.)

segunda-feira, 30 de março de 2009

Pensamentos

Fosse o meu Mestrado sobre séries de tv e filmes e era ver.me a tirar 20 a todas as cadeiras.

Agora vou preparar uma apresentação que tenho pra fazer hoje à tarde.
Deixar de ver episódios pra preparar trabalhos é uma chatice. Vida de estudante é tão difícil!




(btw, "Gran Torino" recomenda.se.)


sábado, 28 de março de 2009

Causa-efeito

Causa: beber e comer como uma desalmada, sair até tarde e dormir poucas horas.

Efeito: estar tão acabadinha como se tivesse corrido a maratona a noite toda.




'Tá visto: já não tenho idade pra estas coisas.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Porque hoje é dia 23... (VII)

"People have scars. In all sorts of unexpected places. Like secret roadmaps of their personal histories. Diagrams of all their old wounds. Most of our wounds heal, leaving nothing behind but a scar. But some of them don't. Some wounds we carry with us everywhere and though the cut's long gone, the pain still lingers."

Meredith Grey

domingo, 22 de março de 2009

Isto não é um post

Ontem a Queen ameaçou.me caso eu escrevesse um post sobre a vitória do Benfica/derrota do Sporting na Taça. Como boa amiga que sou, não vou fazer nenhum post. Quem é amiga Queen, quem é?

sábado, 21 de março de 2009

Desafio, selo e segredos (que nunca foram lá muito secretos e que agora deixaram mesmo de ser)


A Cabeça no Ar propôs.me um desafio em que tenho de dizer 7 dos meus segredos de beleza. Depois tem mais umas coisas mas hoje é sábado e eu estou preguiçosa por isso fico.me por aqui pode ser? Óptimo.
Além do desafio, ganhei um selo também. Obrigada!


Os meus 7 segredos são:

1. Chocolate (deixa.me contente, se fico contente sorrio, se sorrio fico um esplendor. Simples);
2. Ponho creme hidratante todos os dias de manhã. Como a minha pele se assemelha à do rabo de um bébé, nunca precisei de ter grandes cuidados;
3. Bebo muita água, mesmo quando não tenho sede;
4. Raramente penteio o cabelo, porque está (praticamente) sempre apresentável. Arrisco.me a dizer que tem vida própria o que é muito bom, já que me poupa muito trabalho;
5. Ando muito a pé, o que acredito que ajuda bastante a não ser afectada pela celulite;
6. Sou viciada em creme das mãos (ponho várias muitas vezes ao dia).
7. Ginásio. Faz maravilhas (ao corpo e ao espírito)



Depois disto, no mínimo, tirei o lugar à Mónica do mini.saia.